DireitosReservados

DireitosReservados
☆poemasEleonoraMarinoDuarte☆edição&arteWalkyriaSuleiman☆

15 de mai de 2012

Descaso


























Aponto um horizonte
sem linhas, desponta,
desaponta meu futuro.

Sobra-me da luz, réstia,
fulgura a figura, resta
gravura seca na cruz...

Salivo vontades, língua,
linguagem à mingua
sorvo o fel de calar.







foto: MarianaTeixeira - Still do curta-metragem "Velar",  de NanaRibeiro

17 comentários:

Francisco Coimbra disse...

O fel de calar pode ter a pior das amarguras, tem por entranhas emoções. Podendo estas ser, as mais raras, as mais estranhas.
Das palavras uma nudez sem mudez onde «Fulgura a figura», na foto a poesia repousa numa ausência de pose, como se a figura tomasse posse do corpo, guardando-o.
A beleza guarda e reserva o que é íntimo, quantas vezes não se consegue revelar como segredo, um sorriso :)
Beijos

☆mnemosine☆ disse...

Francisco
o fel de calar, tem por estranhas emoções, as entranhas do metabolismo de viver.

Desse fel, tenho medo
Desse fel, morro à mingua.

bjs da walll

Eleonora Marino Duarte disse...

francisco,

bonito isso,

é mesmo assim...

o fel de calar nasce da contrariedade de calar uma emoção forte, algo que se queria expressar, expandir e não se pode. então, calar é explodir ao contrário, para dentro. bomba que destrói os órgãos internos.
:)


obrigada por ser sempre tão constante na presença e atenção! ;)

um beijo***

Eleonora Marino Duarte disse...

Mnemosine, deusa

:)

Anônimo disse...

poèticamente lindo
fotogràficamente lindo

e ainda estou procurando quem calou.

porque tal postagem é um lamento desses cortantes

porém vivos

Barbara.

Tania regina Contreiras disse...

Vale o silêncio, meninas? Aqui sorvo também o mel de "ouvir", "sentir" e calar...

Beijos a todas! :-)

O COELHO DE DÉBORAH disse...

Mocinha, Escritora, Dona das Letras, a poeisa que praticas vem de um lugar entre o feminino e o masculino é muito interessante a forma que colocas as emoções à flor da pele mas com uma determinação vigorosa e limpa, sem rodeios. É lindo ver-te comandar as máscaras! Andei por toda a memória da deusa e li versos memoráveis acompanhados de imagnes de tirar o fôlego, que trabalho bem feito e que mulher interessante tu és, Eleonora, intelectualmente és sagaz, emocionalmente deves ser uma delicada e sensível mulher, mas a tua visão da vida é de longo alcance!
As fotos, as musas, a arte do lugar, aplausos para as Deusas que levam a arte até nós!
Walkyria, parabéns,
Mariana Teixeira, belo trabalho!
beijinho, musas

betina moraes disse...

Coelho,

gostei da leitura! :)
obrigada por apreciar nosso espaço e a minha letra.

volte sempre.

betina moraes disse...

barbarella,

você veio!!!

obrigada, querida, por vir e dizer coisa tão bela.

um beijo!

betina moraes disse...

tanita,

suas palavras são como legendas para mim.

um beijo.

☆mnemosine☆ disse...

ßß, essa bomba que destrói órgãos internos..... como vc sabe dizer o indizível!

☆mnemosine☆ disse...

Coelho
A Eleonora não existe..... ela é demais em todos os aspectos, poeta, amiga, ser humano...
Agradeço seu comentário e sua percepção quanto ao nosso cuidado extremo com este blog!
bjs da Walkyria

☆mnemosine☆ disse...

Tania
sempre um lado novo de ver e sentir!!!

vc é uma benção

bjs da walll

☆mnemosine☆ disse...

Bárbara, sua anônima querida!

vem sentir coma gente, pra sempre!
bjs da walll

Sylvio de Alencar. disse...

Linda a foto, sensível poesia.
Tudo na mais cristalina honestidade.
Impossível não gostar, e admirar.

Abraçando a todas.

☆mnemosine☆ disse...

Sylvio, Silvícola, Silvius!
Vc é sempre bem vindo e esperado por nós!
bjs da walll

betina moraes disse...

sylvio,

obrigada, camarada! você é sempre um apoio importante ao nosso trabalho.

:)