DireitosReservados

DireitosReservados
☆poemasEleonoraMarinoDuarte☆edição&arteWalkyriaSuleiman☆

26 de dez de 2011

Elipse























Preso em concreto
está quieto o peito
que um dia fora
eleito à imensidão.

Tantos vales de velas
vertidas nas pedras,
perdidos pedidos
acesos na escuridão...

Carpido nó estreito,
o coração sofrido
como último gemido
respira da lua o clarão.










foto: MárciaBorlengui

15 comentários:

Leonardo B. disse...

[permanece, em silêncio e refeito, o trago de vida, semente acontecida que bate dentro desse peito, como se fora uma estrela perdida e urgente!]

um imenso abraço,

LB

eleonora marino duarte disse...

irmão,

imenso abraço que torna definitivo ir além dos mares.


obrigada pela leitura.

sempre!

beijo.

Iara disse...

O que eu faço com você? Palavras, palavras, palavras...Ôh aperto, ôh formosura!!!!!!

eleonora marino duarte disse...

iaiá...

o teu carinho é um presente maravilhoso! querida-querida...

um abraço bem forte e um beijo grande!

Luiza Maciel Nogueira disse...

que belo! um ótimo ano para ti, com muita poesia, arte e felicidades!! beijos

Francisco Coimbra disse...

POESIA BUCÓLICA

eu vou te contar
como fica meu tempo
neste cantar

tem coisa de pedra
fiapo de algodão

é fruto seguro no pé!
Assim

Meu oxalá e axé!
Bom final de ano, Bom Ano Novo!
As saudações com algo de transcendente, não faço questão de dominar no por_menor...
Pelas musas do Mnemosine, Sarava!

Tuca Zamagna disse...

Obrigado por essa beleza de poema, garota.

Não repáre, é tudo que posso dizer-lhe, hoje. Acordei estrangulado por uma sucuri, ou demolido a marretadas, ou atropelado por um tanque nazista... daí pra mais. Ô dia mais animado!

Beijos

eleonora marino duarte disse...

luiza,

querida, obrigada! idem idem para você, poeta!

eleonora marino duarte disse...

francisco, querido,

axé, com águas de iemanjá para o baile do teu ano! que todas as coisas boas SE REPITAM MILHÕES DE VEZES, para mim e para você...

***

escotilha disse...

tuca,

ler o teu comentário e saber que você lê no Mnemosine é um presentão.

obrigada mesmo, poeta!

escotilha disse...

repetindo...

"POESIA BUCÓLICA

eu vou te contar
como fica meu tempo
neste cantar

tem coisa de pedra
fiapo de algodão

é fruto seguro no pé!"

Assim

Carol Morais disse...

As vezes o coração está apenas ilhado e não se afogando. Nem udo que é duro demais é concreto. Temos tempo antes do cimento secar.

☆mnemosine☆ disse...

Carol minha linda fada,
vc é meu presente de ano novo.
Quando estiver com os pezinhos no cimento, vou me lembrar disse. Ao invés de sofrer, pico a mula correndo. Temos tempo antes do cimento secar....

Te amo muito, e vamos fumar esse cigarrinho juntinhas!!!!!!

☆•.¸.Mildred.¸.•☆ disse...

Adorei meu passeio por este cantinho tão rico de lindíssimos poemas!
Obrigada pela partilha. Voltarei:o)

***
Um abraço desde a França****

Betina Moraes disse...

Mildred,

obrigada pelo carinho! :))))

beijo, beijo.